COMPARTILHAR

Menstruação é uma alteração fisiológica que ocorre todo mês no corpo da mulher, ou seja, algo normal e esperado. Trata-se de uma descamação das paredes do interior uterino que ocorre quando não há a fecundação. Basicamente a menstruação é composta de sangue que o organismo preparou (para caso ocorresse uma gestação) e tecidos do útero. Porém algumas alterações merecem atenção.

imagem 1

Características de um sangramento normal:

A duração do fluxo menstrual (o sangramento) deve durar de 4 a 7 dias e o ciclo de uma mulher adulta dura 28 dias, podendo variar de 24 a 35 dias. A quantidade de sangue perdida deve ser de 30 ml, podendo variar de 25 a 70 ml, mas isso é muito difícil de ser medido. O indicado é ficar atenta para um sangramento muito exagerado. Quanto à coloração é natural que no início e final da menstruação o sangue seja mais marrom lembrando uma borra de café, no meio a cor é um vermelho vivo e a dispensação é maior podendo sair coágulos. No caso de mulheres que usam anticoncepcional oral, a quantidade e duração do sangramento podem ser menores e a coloração o tempo todo mais amarronzada.

Quando devo procurar por um ginecologista?

mulher-preocupada

As alterações a seguir precisam ser acompanhadas mais de perto por um profissional devidamente capacitado. O médico responsável pela saúde da mulher é o ginecologista.

Polimenorréia: Esse nome estranho significa que a menstruação está ocorrendo com intervalos menores que 25 dias.

Hipermenorréia: É quando a perda sanguínea supera 80ml, ou seja, quando acontece um sangramento exagerado, daqueles em que a mulher precisa trocar o absorvente de hora em hora. Também pode ser considerado um fluxo exagerado quando a menstruação dura mais de sete dias. As causas podem variar muito: Disfunções nos ovários, patologias uterinas, pólipos e infecções pélvicas. Mulheres obesas, mulheres que estão entrando na menopausa ou que tenham histórico na família de sangramento excessivo tem uma tendência maior para a hipermenorréia. Quando o fluxo menstrual está demasiadamente aumentado podem surgir sintomas como fraqueza, sonolência, tontura, falta de ar, palidez, queda de pressão e câimbras. O tratamento depende da causa e só o medico poderá indicar.

Sangramento de escape: pode ser chamado também de sangramento intermenstrual ou spotting. Esse tipo de sangramento é muito comum em mulheres que usam pílula anticoncepcional. Resumidamente, isso acontece porque a pílula usada contém uma quantidade hormonal insuficiente para o organismo da mulher, sendo necessário, nesses casos, que o médico troque a pílula ou indique outro método. Pode acontecer também em mulheres que usam pílula anticoncepcional há muito tempo, nesse caso o organismo acostuma com a pílula. A pílula do dia seguinte também gera o escape. Caso  aconteça em mais de dois ciclos é preciso procurar o médico uma vez que esse sinal pode ser indicativo de endometriose, ovários policísticos e até gravidez.(Sim, resumidamente)

Hipomenorréia: Significa uma escassez do fluxo menstrual, uma vez que menstruar muito pouquinho também é considerado uma disfunção menstrual. Geralmente, nos extremos da vida reprodutiva da mulher, o baixo fluxo menstrual acontece mesmo, o que é normal. Muitas mulheres podem ter hipomenorréia em consequência do uso de anticoncepcionais hormonais, ausência de ovulação, tamanho do útero reduzido, causas emocionais como stress e depressão; baixo nível de gordura corporal (muito comum em atletas de alto rendimento, algumas chegam a não menstruar) e menos comum a Síndrome de Asherman que é a presença de adesões e também fibroses devido a cicatrizes intrauterinas, comuns em mulheres que já tiveram aborto.

Amenorréia: Ausência total de fluxo menstrual. Mulheres que tem cinco ciclos menstruais consecutivos ausentes tem amenorréia. Existe a amenorreia primária, onde meninas de quinze a dezesseis anos não menstruaram ainda e a amenorreia secundária, onde mulheres que menstruavam normalmente ficam de três a mais ciclos sem menstruar. Existem várias causas, dentre elas as causas naturais como gravidez, amamentação e menopausa. Pode também ser consequência de uso de medicamentos como pílulas anticoncepcionais, alguns antidepressivos, quimioterapia, distúrbios hormonais provenientes de ovários policísticos, distúrbios da tireoide e tumor na hipófise. A amenorréia também pode ser recorrente de dietas muito restritivas, perda de peso excessiva e treino atlético.

Menstruação com cheiro forte: O cheiro da menstruação pode variar de mulher para mulher. O cheiro normal é o de sangue mesmo, mas algumas mulheres podem ter um cheiro mais forte devido a um fluxo maior, mas isso não é preocupante. Algumas situações também podem ocorrer para o cheiro ficar mais forte, como a demora na troca do absorvente. Agora, quando o cheiro é muito desagradável com odor de PODRE, isso merece total atenção porque pode ser indício de infecções. Nesses casos, a visita ao médico é imprescindível.

DEIXE UMA RESPOSTA